Arte Marcial Iluminati

A Verdade é a representação máxima da iluminação, mas não o nível mais alto.

O silêncio talvez seja o nível mais alto da ignorância, mas também a melhor forma de começar a aprender.

O Yiquan é uma arte marcial de fluxo energético chinesa baseada no Xingyiquan e foi criado por volta do meio dos anos de 1920 pelo mestre Wang Xiang Zhai, expoente famoso da escola de Xingyiquan, distanciou-se desta classificação tradicional, com a intenção de ser a síntese absoluta dos elementos essenciais contidos nas tradições das escolas internas do Xingyiquan, Taijiquan e Bagua Zhang. Wang Xiangzhai, um homem profundamente pragmático e claro, procurou fazer de seu trabalho pugilístico uma síntese ao longo de duas principais linhas guias: primeiramente enfatizando e realçando a importância do treinamento mental acima do puramente técnico, e secundariamente por eliminar tudo que era supérfluo e inútil e deformidades criadas ao redor dos vários estilos, assim desenterrando o núcleo essencial das artes marciais chinesas. A estrutura do Xingyiquan formou a base do treinamento, a suavidade e força circular veio dos outros estilos. O resultado foi o Yiquan, que significa literalmente Mente (Yi), Boxe ou Punho (Quan).
Este estilo tem certas características, que o separam drasticamente de todas as outras escolas, ao mesmo tempo apontando ser sua quintessência. A primeira e fundamental diferença é que o Yiquan não contém qualquer forma fixa (taolu), nem seqüências de socos e chutes. Por esta razão, que tem sido às vezes chamado de ‘escola de espontaneidade’. Ao mesmo tempo o treinamento é extremamente árduo e severo, baseado numa série de etapas progressivas das quais a primeira e mais difícil, é permanecer em posições estáticas durante longos períodos.
No entanto mais difícil que o físico é o treinamento mental; cada posição, cada exercício do Yiquan deve ser acompanhado por imagem mental estática ou mesmo dinâmica, freqüentemente por longos períodos e com uma intensidade desprovida de distração.
O objetivo desta forma quase mística e singular de meditação criativa é a recuperação do instinto primordial de luta do homem: o qual os animais selvagens mantiveram, e o homem perdeu nos processos de crescimento e civilização.
Assim a preparação no Yiquan é mais semelhante à de um monge, que de um guerreiro, e ainda seu resultado é o desenvolvimento de uma força explosiva incomum, uma agressividade natural e espontânea quase como de animais ferozes.
Esta peculiar simbiose entre treinamento técnico e mental coloca o Yiquan fora da estrutura de artes marciais tradicionais: é um método em que a técnica, a arte e a fisiologia contribuem para uma transformação profunda e total do praticante. Esta transformação produz um guerreiro, mas também um artista e um sábio. Além do mais, como é característica de estilos internos (Neijia), que são baseadas em relaxamento, percepção interior e circulação de energia vital, o Yiquan representa um método excelente de terapia e autocura. Aliás, o primeiro resultado do treinamento é a obtenção e recuperação de um estado de bem estar que é baseado numa circulação ótima de energia.
A qualidade do trabalho sempre deve ser colocada antes da quantidade, mas como em qualquer tipo de disciplina interna, deve ser lembrado de que o Yiquan exige uma grande quantidade de tempo investido quando o objetivo for a arte marcial. De fato, o objetivo é transformar o mais substancial do praticante, e isto tem que ser trabalhado constantemente e pacientemente. Por outro lado, a essência do treinamento consiste em ser capaz de trazer certos princípios para portá-los a vida cotidiana, a ponto de se tornar um treinamento permanentemente. E se olhamos as coisas nesta luz, nós não poderemos mais pensar em treinamento como tomando nem mais nem menos tempo; o treinamento torna-se uma parte da vida.

“O Yiquan condensa as melhores qualidades das artes marciais internas”
Alguns altos ministros do governo chinês praticam Yiquan para relaxar antes de ir a reuniões importantes, também muitos executivos de Wall Street, até o famoso campeão de Fórmula-1 Alain Proust o utilizava como técnica de relaxamento para melhorar seu desempenho nas corridas, devido ao grande estresse dos campeonatos, o resultado já sabemos, foi um grande campeão. Qualquer esportista pode ter grandes vantagens com os diversos benefícios deste método de treinamento, corredores e ginastas chineses revelaram inúmeras vezes o segredo de seu extraordinário desempenho, os exercícios do Yiquan.

Os elementos que compõem o programa técnico essencial são basicamente sete:

  • Zhan Zhuang: Meditação Multipla Alta.
  • Shili: Procurando Força.
  • Motsabu: Passo Rasteiro.
  • Fali: Emissão de Força.
  • Shi Sheng: Energia Vocal.
  • Tuishou: Exercícios de Contato.
  • Prática de Combate.

Estes exercícios devem formar um conjunto totalmente integrado e nenhum deve ser negligenciado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s